Comida Vegana

Comida vegana: princípios e pratos mais famosos

Há alguns anos, a comida vegana está em ampla ascensão. Cada dia, mais e mais pessoas se conscientizam dos abusos da indústria e optam por uma alimentação mais produtiva.

Mas o que é a comida vegana? Onde vende? Como posso preparar? Tem ovo? E queijos? Essas e muitas outras perguntas tornam o assunto um tabu.

Por isso, decidimos escrever este guia para os iniciantes do veganismo. Nele, conversaremos sobre os princípios deste estilo de vida e, mais tarde, sobre suas delícias.

Acompanhe-nos e esclareça todas as suas dúvidas.

A comida vegana desde seus fundamentos

Fundamentos da comida vegana

A comida vegana é resultado de uma série de pensamentos e práticas cotidianas. Elas dizem respeito ao veganismo, que guia os praticantes desta ideologia.

Para o veganismo, nenhuma vida supera as outras. O equilíbrio pessoal e coletivo ocorrem quando convivemos harmonicamente, neste planeta.

Assim, mesmo com a finalidade da alimentação, nenhuma morte torna-se aceitável. O consumo de carne, portanto, é abandonado em respeito à vida animal.

Grande parte da aversão vegana à carne vem dos métodos industriais. Animais torturados, enclausurados, vítimas de toda sorte de mutilação e crueldade.

Por extensão, o consumo do leite, laticínios e ovos mostra cumplicidade com essas práticas. Afinal, os animais dos quais retiramos estes bens têm vidas miseráveis, orientadas ao lucro.

O mesmo pensamento estende-se, também, a outros campos da indústria. Dentre estes, a cosmética é uma das maiores inimigas da ideologia.

Isso ocorre por conta dos testes de produtos em animais. Vários e vários espécimes são torturados com aplicação de produtos nocivos, que os ferem e, até, matam.

Em menos palavras, o veganismo entende que nenhum ser deve sofrer ou morrer pelos humanos. Que toda vida deve ser amada e suportada. Especialmente a senciente.

Por tudo isso, o veganismo rechaça e combate:

  • Crueldade contra animais domésticos e silvestres: rinhas, espancamentos, mutilações, caça, pesca (mesmo “esportiva”, já que os fere) etc.;
  • Exploração da força de trabalho animal: uso de animais para tração (carroças, arados etc.) e/ou diversão (circos, zoológicos, apresentações de rua etc.);
  • Comercialização animal: venda de pets, centros de cruzamento e reprodução, aprisionamento de aves e peixes;
  • Consumo de produtos de origem animal: carnes, ovos, leite, peles e todo tipo de produto que derive da vida animal.

O veganismo e a exploração de bens post-mortem

Chamamos de “bens post-mortem” o que se retiraria de um animal morto naturalmente. Por exemplo, ao considerarmos vacas e ovelhas, o uso de seus tecidos e pelagem.

Imediatamente, utilizar benesses de um animal morto naturalmente é moralmente defensável. Todavia é importante pensar que toda demanda desperta um nicho de consumo.

Com isso, mesmo se apenas explorássemos benesses de animais mortos, nem tudo estaria certo. Haveria quem deturpasse a ação em nome do lucro e benefício particular.

Justamente por isso o veganismo não admite sequer o aproveitamento quando há morte natural. Se o produto advêm de um animal, não é para consumo humano.

Pode parecer exagero. Mas basta visualizar a realidade atual para compreender: parte esmagadora do desequilíbrio ecossistêmico que enfrentamos deve-se à exploração animal.

Eis toda a magnitude do pensamento vegano: o respeito pela vida animal reverte-se no equilíbrio do mundo todo. Todos, no fim, são beneficiados pela mudança de comportamento.

Benefícios e cautelas com relação à comida vegana

Benefícios da comida vegana

De fato, a maior parte das proteínas ingeridas pelos humanos é de origem animal. Afinal, a maioria de nós mantêm a alimentação onívora, consumindo toda sorte de alimentos.

Porém é importante saber que há proteína disponível em fontes vegetais. Vários alimentos dispõem desta substância sem custar uma única vida.

Além disso, a carne é alimento de dificílima digestão. Remosa, demanda comprometimento do organismo inteiro para desconstrução. Mesmo as tidas como “brancas” e “mais leves”.

Houve, sim, uma adaptação de nossa natureza para o onivarismo. No entanto nada impede que retornemos à alimentação vegetal, sem prejuízos para ninguém.

Com responsabilidade, é possível sustentar uma dieta rica e equilibrada. E baseada única e exclusivamente em produtos vegetais.

Basta ter em mente que a absorção é diferente. Proteínas vegetais podem ser mais desprezadas pelo corpo que as animais.

Entretanto, contando com a ciência da Nutrição, não há qualquer problema. Por isso, ao migrar para a comida vegana, estude sempre e consulte nutricionistas de sua confiança.

Principais pratos da comida vegana

De modo genérico, tudo que não vêm de animais é alimento. Por isso, a comida vegana é riquíssima, explorando sabores e texturas em todo o mundo vegetal.

Todavia há pratos que imperam, entre os adeptos. Assim, conheçamos alguns.

Um pequeno glossário

Apenas, antes de começarmos, convido a uma breve leitura. Ela se encarregará de sanar as dúvidas sobre a natureza do vegetarianismo.

Em pouquíssimas palavras, comida vegana não usa nada de origem animal. Nada, mesmo. Mas há certos pratos que combinam vegetais com ovos e laticínios. Estes são os vegetarianos.

O vegetarianismo é o abandono do consumo de carnes. Ovos e laticínios, imediatamente, não sofrem qualquer impacto.

Sociedades inteiras praticam vegetarianismo parcial ou total. Há povos, por exemplo, que possuem bovinos como sagrados.

Mas lembre-se: o vegetarianismo não é veganismo. A comida vegetariana não é vegana. Pode até ser a porta de entra. Porém cada coisa é diferente da outra, tudo bem?

Hambúrguer de lentilhas

Comida vegana - Hambúrguer de Lentilha

O hambúrguer é um prato universal. Originalmente preparado com carne, recebe uma versão especial vegana, baseada em lentilhas.

Embora pareça estranho chamar de “hambúrguer”, o objetivo é simples: convidar apreciadores da carne a provarem sabores veganos.

Desse modo, é possível mostrar como o abandono da exploração animal pode ser fácil. E o melhor: sem causar grandes mudanças na rotina de qualquer pessoa.

Um fato indiscutível sobre o hambúrguer vegano é seu sabor. Mesmo quem detesta lentilhas lambe os dedos, ao provar um deles.

E o melhor: falamos de um alimento saudável, riquíssimo em nutrientes e de fácil digestão.

Corpo saudável sem esforçar a digestão? A comida vegana está aí para isso!

O falafel médio-oriental

De tradição árabe, o falafel funciona bem para qualquer lanche sem deixar nada a desejar.

Este salgado frito fundamenta-se no grão-de-bico. É crocante, saboroso e, o melhor: não depende em nada de carne.

Ratatouille vegano low-carb

A receita que já rendeu até título da Disney brilha, no veganismo. Falamos do Ratatouille vegano de baixa caloria, para quem quer comer sem culpa.

Nada de carne, nada de queijo nem cremes de leite, a iguaria mata a fome e alegra o paladar.

E ainda por cima não gasta quase tempo nenhum, para preparar. Diga se não é de outro mundo?

Lasanha vegana de berinjela com tofu

A comida vegana tem várias surpresas. E uma delas é a lasanha de berinjela com tofu.

Essa iguaria é preparada substituindo a massa convencional por fatias de berinjela descascada. Com molho de tomate e recheio de tofu, tudo fica mais saboroso e saudável.

E se engana quem acha ser uma invenção sem sentido. Basta provar essa lasanha para viajar por um novo universo de sabor.

O tofu entra forte, substituindo queijos brancos. Seu sabor combina-se perfeitamente com o prato, fazendo sua refeição de comida vegana uma explosão de sabores.

Um novo universo a experimentar com a comida vegana

Estes pratos, que indicamos, sequer são a ponta do iceberg. Se duvidou, basta visitar ou pedir delivery um prato do restaurante de comida vegana mais perto de você.

Pode apostar alto comigo: você irá se surpreender com a riqueza. Tudo isso sem passar fome, comendo do bom e do melhor.

Atualmente existe alguns cursos online que ensina receitas e curiosidades sobre a comida vegana.

O veganismo quer, mesmo, transformar o nosso mundo. E para a melhor! Basta que todos nos conscientizemos. Afinal, juntos podemos fazer a diferença.

Foi um prazer imenso! Terminando este artigo, vá para a cozinha e explore tudo que os vegetais podem fazer por você. O mundo agradece!

Até mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *